Resultados

Sorteio Branca de Neve e o Caçador
Silvana Crepaldi!


Sorteio A Casa das Orquídeas + Presentes da Vida
Karen Senoo


Sorteio O Sonho de Eva

Sarah Patrício!

As ganhadoras têm até 3 dias para me enviar um email com os dados completos para giu.fernandes@hotmail.com.
6 comentários

Quinta em Outra Língua: Graffiti Moon

{O Quinta em Outra Língua cresceu e terá edições em outros dias da semana! "Em Outra Língua" é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros a princípio apenas às quintas-feiras, mas atualmente em qualquer dia da semana. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

*

"I told him he was dreaming. He told me dreaming's the only way to get anywhere."

Resenha:
Lucy está atrás de Shadow e Poet — especialmente Shadow, o garoto que faz desenhos em grafite pela cidade, desenhos que conquistaram Lucy. Quando ela completa o ensino médio, sai para comemorar com suas amigas e decide que essa é A Noite para encontrar o garoto dos seus sonhos, só não contava que tivesse que procurá-lo pela cidade junto com Ed, um garoto que ela prefere evitar após um encontro desastroso há dois anos.

O problema é que Lucy pode não enxergar o que está bem na frente de seus olhos.

Graffiti Moon se passa em 24 horas e aqui vou eu proclamar novamente meu amor por livros que se passam em tão pouco tempo. Eu os adoro e Graffiti Moon virou um dos meus queridinhos. Eu já tinha lido A Little Wanting Song da Cath Crowley e me apaixonado, mas esse livro é tão bom quanto. A história é contada tanto por Lucy quanto por Ed, com alguns poemas de Poet, além de conhecer um pouco dos amigos de ambos: Jazz, Daisy, Leo e Dylan.

Eu nem sei como começar a explicar o porquê eu gostei tanto, mas a escrita da Cath Crowley é perfeita, de um jeito poético que dá vontade de anotar em um caderno cada frase que ela escreve porque é tão tão tão bonito. "I can show you how to get the ship in the bottle. If you want." "I don't know. Seems like a lot of trouble for a bot that's going nowhere." Mas o enredo, o desenvolvimento dos personagens... whew. Simplesmente maravilhoso. A história é simples, sem grandes reviravoltas, mas ganha uma grandiosidade com as cenas, acontecimentos, descrições. Uma cena em particular ficou tão marcada na minha mente, como se eu realmente tivesse presenciado.

"I exist, therefore I know who Mr. Darcy is." — Ed

Ed e Lucy são personagens tão adoráveis (quero dizer, Lucy é apaixonada pelo Mr. Darcy, como não se identificar? Sem contar que ela tem uma queda por personagens fictícios!!!! Identificação total.), com seus problemas que a princípio nenhum dos dois imaginava existir, mas que com o passar da noite vão reaproximando os dois, criando um vínculo real, diferente do amor platônico que Lucy sente pelo misterioso Shadow. AH, como eu amei esse livro! Eu adoro livros que tratem de querer algo que parece inatingível, sobre estar perdido e principalmente sobre esperança de se encontrar, e no cenário de Graffiti Moon se passa essa história ficou irresistível. Cath Crowley, lerei tudo o que você escrever.

5/5

Skoob: adicione.
Nível de inglês: médio
Compre: {Book Depository: hardcover - paperback}

Esse livro será lançado pela Editora Valentina — sem previsão.

15 comentários

Resenha: O Amor nos Tempos de Blog

Resenha:
Ariza em Silêncio é um novo blogueiro: ele fala um pouco do seu dia a dia, sobre seu livro favorito e mudanças em sua vida. E é pesquisando sobre o livro Amor nos Tempos de Cólera que Cinderela Virtual conhece o blog de Ariza e os dois começam uma hesitante amizade virtual, enquanto Cinderela descobre mais e mais da vida de Ariza.

Mas O Amor nos Tempos de Blog tem um enredo bem maior do que esse — só que é apenas isso que posso contar. Outros blogs entrarão em cena, respondendo algumas perguntas do leitor e criando outras, o que torna o livro uma leitura de virar uma página atrás de outra.

Adoro livros contados através de emails e tweets e este, em formato de posts, não foi exceção. A história é uma graça, os personagens, adoráveis. Fiquei triste quando o livro chegou ao fim, porque não me importaria de passar mais umas cem páginas ao lado deles. As descobertas que eles fazem (junto com o leitor) ao longo do livro deram uma profundidade a história que não esperava — o que me fez gostar ainda mais do livro.  A história é voltada para um público mais novo — mas acredito que encantará qualquer um.

4/5

Skoob: adicione.

Compre: {Saraiva} {Cultura}
16 comentários

Sexta em Outra Língua: Glass Houses (Morganville Vampires #1)

{O Quinta em Outra Língua cresceu e terá edições em outros dias da semana! "Em Outra Língua" é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros a princípio apenas às quintas-feiras, mas atualmente em qualquer dia da semana. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

*

Resenha:
Claire Danvers está no primeiro ano de faculdade (não é bem uma "faculdade", porque ela tem apenas 16 anos, é um curso entre o colegial e a universidade) e está tendo sérios problemas uma colega de dormitório. Após ter, sem querer, corrigido a menina mais popular na frente de todos, Claire virou o alvo de Monica, e após um grave incidente em que Claire poderia ter morrido, ela decide que precisa sair do dormitório e procurar um lugar para morar fora do campus, em Morganville.

É aí que ela conhece a Casa Glass e seus moradores: Michael Glass, o dono, Eve e Shane. Todos têm mais de 18 anos, e a princípio não concordam com Eve para deixar que Claire se mude, afinal, ela é menor de idade. No entanto, após os garotos perceberem que Claire está mesmo correndo riscos, ela se muda temporariamente para a casa — mas esse é o começo de uma série de problemas e segredos que Claire descobrirá sobre seus colegas e, principalmente, sobre a verdade de Morganville.

Esse livro é viciante! Li em menos de um dia de TÃO bom que é! Não sou fã hardcore de YA sobrenatural, MAS têm algumas séries que simplesmente me conquistam — e apesar de só ter lido um livro (e metade do segundo), já sei que vou ler a série toda assim que possível. Um dos pontos positivos é que há sempre algo acontecendo, segredos revelados, problemas aparecendo, e, vocês sabem... um romance!!!! (Um certo personagem — não direi quem — me lembrou muito o Jace da série Os Instrumentos Mortais — e isso é um alto elogio!!!!!!)

Não tenho muito o que dizer sobre o enredo, porque o mais legal foi ir descobrindo aos poucos e me surpreendendo! Eu sei, EU SEI que tem pessoas que não aguentam mais vampiros, mas sinceramente?! Não sou uma delas. É claro que eu não li todos os livros de vampiro que já saíram (para falar a verdade, li só 4, contando com esse) — relutei muito em comprar Glass Houses, porque o YA sobrenatural tem que ser MUITO bom para eu gostar (do contrário, abandono a série como Hush Hush, Beautiful Creatures...). Então eu recomendo muito Glass Houses, uma leitura ótima para quem está com vontade de ler uma série sobrenatural que não seja o-mesmo-de-sempre.


5/5
Skoob: adicione.
Nível de inlgês: fácil
Compre: {Book Depository} {Book Depository — edição com os dois primeiros livros da série*}

Esse livro já foi lançado no Brasil pela Underworld com o título Casa Glass.

*Minha edição é a de um paperback que vem os dois primeiros volumes da série — Glass House, The Dead Girls' Dance —, vale muito a pena comprar porque são dois livros pelo preço de um. (E dica: o final de Glass House é tão cliffhanger que era necessário ter o segundo do lado!)

12 comentários

Terça em Outra Língua: Wanderlove

{O Quinta em Outra Língua cresceu e terá edições em outros dias da semana! "Em Outra Língua" é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros a princípio apenas às quintas-feiras, mas atualmente em qualquer dia da semana. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

*

"The water shifts endlessly, knocking us together, pulling us apart."

Resenha:
Bria Sandoval achou que sua viagem para a América Central seria bem diferente: quando escolheu o programa Global Vagabonds, esperava encontrar pessoas da sua idade com quem poderia fazer amigos, explorar lugares, mas o que encontrou foi bem diferente: um grupo de senhores e senhoras, com quem não tinha nada em comum, e descobriu que viajar em exercução significa uma coisa: falta de liberdade para conhecer lugares que não estão no cronograma.

É por isso que Bria toma uma decisão que muitos não teriam coragem: após conhecer Starling, uma menina que viaja de mochilão, Bria decide aceitar o convite de abandonar seu grupo e viajar com a Starling — e Rowan, seu irmão, que é um instrutor de mergulho, e mochileiro em tempo integral há dois anos. Bria não sabia o que esperar de uma viagem como mochileira — o que já diz muito da sua personalidade —, mas ela sabe que não pode deixar o medo tomar mais uma decisão em sua vida.

COMO NÃO ficar com vontade de ler esse livro? Assim que li a sinopse, sabia que era um must read imediatamente. O que eu não esperava era gostar tanto do livro. Oh, gostar é pouco. Eu AMEI. Livros centrados em viagens sempre me atraem (vide minha paixão por road trip), mas nunca tinha lido nada parecido com Wanderlove. A escrita de Kirsten Hubbard é contagiante, ela transmite os cheiros, os sons, o cenário tão bem que é como se você estivesse lá com a Bria, experimentando tudo pela primeira vez: desde dormir em um quarto com outras 7 meninas até comer comidas exóticas e tomar banho de água fria no meio da floresta.  E, principalmente, a autora soube passar aquele sentimento de Primeira Vez, de experimentar coisas novas, da sensação de como é viajar, a atmosfera do livro é perfeita, provavelmente porque a própria autora é uma mochileira que já viajou MUITO (e que conheceu seu marido em uma dessas viagens. Nem consigo dizer o quanto isso é AWESOME.)

Outros dois motivos que me fizeram amar o livro: Bria Sandoval — como eu me identifiquei com essa personagem!! Ela me lembrou um pouco da Macy de The Truth About Forever, pelo jeito hesitante dela, pelo medo que muitas vezes a deteve de fazer algo que ela queria fazer. Mas nessa viagem Bria decide que é hora de mudar. "And maybe I can learn to do a little less observing and a little more jumping in." Segundo motivo: o romance. (OH, SURPRESA!) Mas falando sério agora: o romance foi tão bem desenvolvido nesse livro. Tão bem construído e, Oh, My God, tão bem escrito. Só lendo para entender o motivo, mas uma das cenas desse livro entraram para o meu rol de melhores Kissing Scenes EVER. (!!!!!!!!!!)

Mas o livro é muito mais sobre isso: é sobre viajar de uma maneira diferente, sem observar tudo através das lentes de uma câmera, conhecer lugares que turistas tradicionais não conheceriam, enxergar o mundo de outra maneira. Eu terminei o livro há dois dias e aqui estou eu morrendo de vontade de reler e de ter uma experiência parecida com a que a Bria teve. Isso diz muito sobre Wanderlove. Você deveria ler o mais rápido possível!

5/5 - ♥ 

Skoob: adicione.
Nível de inglês: médio
Compre: {Book Depository}

14 comentários

Dia 7: Guest Post — Lisse Cunha #SemanaDessen


Minha história com a Sarah Dessen não começou através de seus livros (ou foi?), mas sim por meio de um filme baseado em dois livros escritos por ela.

"Em 2003 comecei uma louca paixão pela Mandy Moore e catava todos os filmes dela que achava nas locadoras ( ehhhh, era o tempo de locadoras! rs) ... aí cheguei em "Meu Novo Amor". E nesse DVD tinha um material EXTRA falando sobre "Como Lidar com a Literatura Juvenil", e pra quem gosta de livros, imagina né... foram os melhores 30 minutos que eu poderia imaginar. E lá estava ela - Sarah Dessen - falando em como "That Summer" e "Someone Like You" inspiraram o filme.
Naquele momento eu tive um vislumbre de como seria ler qualquer livro dela, e aqueles jovens dizendo como é boa a forma como ela escreve, como se identificam... Putz, em 2003 já era uma escritora importante e consagrada!! Tem noção???

Tudo foi muito HONESTO e foi AMOR!

Depois disso eu só puder assistir mais mil vezes (e ainda não me canso! rs) e olhar sites que vendiam seus livros e observar os comentários de quem já tinha lido; ir me inteirando sobre o que os livros eram, ter uma noção de como eram os personagens nas sinopses, e comecei a perceber que a Sarah seguia um padrão: ela falava de sentimentos reais, não coisas supérfulas. Isso me surpreendeu!
Tinha que levar em conta o meu conhecimento limitado do idioma, e esperar... esperar... esperar... esperar... por um longo tempo até que se tornasse em português para mim.

Minha primeira experiência foi "Just Listen" - só em 2010 em português - e pude compravar tudo o que eu já desconfiava que seria. FOI MARAVILHOSO! Sarah extrai toda a essência de seus personagens, tudo o que acontece a sua volta está lá descrito, o que está na cabeça deles está lá tudo bem detalhado, o que ele sente, se doi, se é alegria, ela tem o poder de fazer você sentir isso na mesma intensidade.
Ano passado li meu 2° livro dela - "A Caminho do Verão" - e mais uma vez foi especial e humano. Fez com que eu me visse além de mim, visse outros que nunca reparava, ser mais eu e mudar aquilo que quero. Mas meu preferido ainda vai ser por um bom tempo "Just Listen", não sei, talvez por ter sido o primeiro e ter me identificado bem mais com a Annabel.

Mas se pudesse escolher outro título dela para uma publicação no Brasil seria "Lock & Key". Ou então "The Truth About Forever" para eu matar minha curiosidade de tanto que a Giu e a Dayse falam desse livro.

Só espero que muitos outros livros da Sarah Dessen seja traduzido!"

A Lisse Cunha é a blogueira do Livro... Filme... Música. Não deixe de conhecer o blog dela. :)

*

A #SemanaDessen chegou ao fim!!! Essa semana foi uma correria, ficando acordada até tarde gravando o vídeo, acordando super cedo para editar, os posts diários, mas foi uma das semanas literárias mais legais que já tive. Se eu tiver convencido UMA pessoa ao ler os livros dela, considero trabalho feito. MUITO obrigada a todos que participaram, espero que vocês tenham gostado tanto quanto eu gostei. E não deixem de me contar o que acharam dos livros dela quando lerem. E, mais uma vez, quero agradecer ao NUPE e à Dayse pelo convite. :)

17 comentários

Dia 6: Os Garotos (e as garotas) da Sarah Dessen


LET'S TALK ABOUT BOYS.

Ohh. Vocês sabiam que esse post masculino iria vir mais cedo ou mais tarde. Confessem que vocês MAL podiam esperar para ler sobre OS MENINOS DA SARAH DESSEN!!

WOOHOOO.

Mas, para não ser injusta, vamos falar também um pouco das personagens femininas. Elas são tão legais quanto os garotos. E vamos começar com THE TRUTH ABOUT FOREVER: Macy e Wes. OH, YEAH. Macy é a típica garota que faz tudo tentando aparentar perfeição, como eu já disse, mas ela é adorável, de um jeito eu-me-identifico-tanto-com-você, vamos ser melhores amigas? E Wes.... ah. *suspiros válidos do meu livro favorito* Wes é o garoto que vai fazer com que qualquer leitora se apaixone, com aquele jeito eu-consigo-consertar-aquilo-que-você-achava-que-estava-quebrado-para-sempre, suas respostas no jogos da Verdade (sim, os dois jogam muito esse jogo) e seu jeito tão tão tão cativante. Ele é meu personagem masculino favorito da Dessen e a Macy está ali do lado dele, como personagem feminina favorita.

Outro livro que considero queridinho da Sarah é o Along for the Ride/ A Caminho do Verão, em que os primeiros encontros da Auden e do Eli (não encontros no sentindo romântico, mais para, hmmm, "passando um tempo juntos"), acontecem à noite. EU SEI!!!!! Muito bom para ser verdade, mas tem algo em sair de carro pela noite enquanto o Eli mostra a cidade para a Auden que é irresistível.

E, por último, This Lullaby. Ohhh. O garoto que conquista a garota que nunca, nunca, nunca iria se apaixonar. Tem que ter um jeito MUITO especial para conquistar a Remy, que não acreditava no amor, e Dexter é um personagem tão marcante. Esse livro é um amontoado de cenas fofas e aleatórias, nos lugares mais diferentes, mas.. é a Sarah. O final desse livro é TÃO FOFO que só de lembrar... *suspiros*

Os outros dois livros que li dela, That Summer e Someone Like You, são dois livros que eu AMEI, mas são tão fortes do quesito romance. Não que isso diminua o valor deles — longe disso. Enquanto Haven (That Summer) é uma personagem que é ainda muito nova, Scarlett, em Someone Like You, está grávida de um menino que morreu. Enquanto sua melhor amiga, Halley, a narradora, conhece um garoto que bem... é encatador e acho que você deveria ler para descobrir porque eu não estou aqui dando um surto de fangirl.


* Já viram que nove livros da Sarah Dessen ganharam capas novas?! Confira todas no post do NUPE e saiba mais um pouco sobre o novo livro da Sarah, que sai em 2013, chamado Someone Else's Summer.
12 comentários

Dia 5: Meu primeiro livro da Sarah Dessen e a história de quem mudou "O que Aconteceu com o Adeus"


Lembro até hoje COMO conheci (virtualmente) a Sarah Dessen: estava no site da já inexistente livraria Borders, procurando uns livros que eu queria que meu pai comprasse (ele iria viajar para os EUA), quando me deparei com uma capa super fofa de uma mão segurando um coraçãozinho de papel escrito "This Lullaby" e eu SOUBE que precisava desse livro. Simplesmente precisava.

Mas como meu pai me conhece como poucas pessoas no mundo, ele não comprou apenas esse livro dela. Naninanão. Ele também comprou Dreamland e Someone Like You. E Someone Like You foi o primeiro livro que li dela.

Eu ainda consigo me lembrar de quando, onde e o que senti ao ler o livro — é palpável minha memória: a princípio, estranhei um pouquinho a escrita dela, mas depois de 50 páginas, eu estava vendida. A narrativa poética, as personagens que são tão reais e humanas e parecidas comigo e uma história simples, porém cativante. E desconfiou que foi esse livro que me levou para o mundo dos YA Contemporâneos — de onde, sinceramente, não me vejo saindo nunca mais.

Eu me lembro de citações desse livro até hoje!!!! Isso deve mostrar pelo menos o quanto a Sarah Dessen é maravilhosa e você deveria ler um livro dela (caso essa semana não tenha mostrado isso UM POUQUINHO)! :)


Mini resenha de O Que Aconteceu Com o Adeus (What Happened to Goodbye), feita pela Pâm Gonçalves do Garota It:

"Pais divorciados e um problema não resolvido com a mãe foi o suficiente para que McLean escolhesse a vida de mudanças constantes ao lado do seu pai. A cada nova cidade, uma nova personalidade. Em O que aconteceu com o adeus Sarah Dessen nos brinda com uma história de autoconhecimento.

McLean achava o máximo poder ser uma nova pessoa em cada cidade que morava por poucos meses. Ninguém conhecia seu passado e por isso ela seria o que quisesse. Quando fosse embora não teria que se preocupar com essas pessoas. Mas ela não vai conseguir fugir para sempre, não dessa vez. Pessoas realmente importantes irão fazê-la reconhecer que ela precisa ser a McLean, ela precisa se envolver, precisa fazer sua história.

O livro é lindo, como todos os outros livros da autora. Como eu não me canso de falar: Sarah Dessen escreve sobre nós e para nós. É quase impossível não se identificar."— Pâm Gonçalves

Para quem não sabe, EU CONHEÇO A PESSOA QUE MUDOU ESSE LIVRO. Sim. (E você também provavelmente conhece, porque ela se chama Dayse Dantas!!!!) (Eu disse que você já conhecia.) Sim, sim, sim. Ela mudou a história desse livro: de tanto pedir, pedir e perguntar sobre um certo personagem para a Sarah Dessen, não é MESMO que ela atendeu o pedido da Dayse?! Leia sobre essa saga épica AQUI

12 comentários

Dia 4: Família e Lock and Key


Um dos pontos fortes, para mim, nos livros da Sarah Dessen é o romance, MAS também o relacionamento familiar que ela narra. E tenho certeza de que não sou a única que gosta dessa porção nos livros dela. São diversos, retratando famílias diferentes e, ao mesmo tempo, com um ponto em comum: todas elas têm algum problema, seja segredos, seja situações pelas quais estão passando.

Como a Dayse falou sobre aparência hoje no NUPE, muitas dessas famílias que a Dessen retrata aparentam ser perfeitas: a mãe que perdeu o marido? Continua trabalhando e com mais sucesso do que antes, sem aparentar fraqueza alguma, quando, na verdade, sua filha está desolada e elas mal conversam sobre o elefante no cômodo. Esse é apenas um exemplo de uma família disfuncional.

E por que tantas pessoas dizem que ela escreve sobre a família que o leitor tem? Porque os leitores se identificam com essas famílias que ela narra. Os leitores sentem conforto e até mesmo encontram formas de tentar solucionar/conviver com os problemas da família. Por mais triste que seja, quantas filhas já não guardaram um segredo de uma mãe, um segredo tão grande, por medo do que os outros pensariam? Do que sua própria mãe pensaria?

Esse é um dos pontos fundamentais que diferem um romance normal de um romance da Sarah Dessen: não é só romance. Problemas de família afligem as protagonistas, direcionam suas condutas, suas formas de viverem, fato que muitas pessoas podem se identificar. E é por isso que muitas vezes os livros da Sarah emocionam: porque de alguma forma, de alguma maneira, esses problemas, na pior das hipóteses, deixam de ser um problema para se tornar algo a ser convivido, quando não solucionado. Ou seja, as histórias dela são sobre esperança, coisa que muitas pessoas procuram ao ler um livro.

Mini resenha de Lock and Key, feita pela Iris Figueirdo do blog Literalmente Falando:
"Lock and Key é um livro sobre abandono. Todo mundo abandona a Ruby... Pai, mãe, irmã. Mas aí, quando é abandonada pela mãe, ela precisa morar com alguém e vai parar na casa da irmã que ela não vê há anos. Por se sentir sozinha e abandonada, Ruby é muito madura e fechada - e ela encontra outra pessoa tão fechada quanto ela, o vizinho Nate.

E esse livro é lindo... Por que ele mostra que, por mais que a gente tente, não existe essa de "cada um por si", porque todo mundo precisa de alguém pra estender a mão em momentos mais difíceis. Esse livro é sobre lidar com coisas que a gente não consegue enfrentar, sobre abrir o coração e se deixar merecer certas coisas. Apesar de ser toda empolgada e extrovertida, ao mesmo tempo eu sou uma pessoa muito fechada e, mesmo vivendo problemas diferentes dos que Ruby vive, eu a entendi durante o livro. Essa identificação me fez rir e chorar ao mesmo tempo, porque a Sarah Dessen escreve histórias que são assim: lindas e reais. Muito reais!"— Iris Figueiredo

10 comentários

Sorteio: Branca de Neve e o Caçador

a Rafflecopter giveaway






Uma nova visão de tirar o fôlego de um conto lendário. Branca de Neve é a única pessoa na terra mais justa do que a Rainha má que pretende destruí-la. Mas o que a perversa Rainha nunca imaginou é que a jovem que ameaça seu reinado vem treinando na arte da guerra com um caçador que foi enviado para matá-la.







208 comentários

Sorteio: O Sonho de Eva

a Rafflecopter giveaway


Dra. Eva Abelar, autoridade mundial em sonhos lúcidos, é informada de que seu filho, Joachim, uma criança autista, desaparece na mesma noite em que sua irmã, Anna, pula do 20º andar de um edifício em São Paulo. Anna era a principal cientista do projeto DreamGame, invento revolucionário que permite à pessoa jogar enquanto dorme. Eva é convidada por Yume a assumir o lugar da irmã e, à procura de respostas, se envolve em uma trama perigosa, que alcança os limites dos desejos inconscientes do homem. Enquanto usa seus conhecimentos para desvendar a morte de Anna e reencontrar Joachim, Eva descobre o quanto a sociedade está vulnerável à tecnologia e aos estímulos subliminares, e como esses estímulos podem sequestrar a liberdade e extinguir o livre-arbítrio.


114 comentários

Sorteio: 2 kits de Garotas de Vidro




Esse sorteio terá dois ganhadores com o prêmio de um kit de Garotas de Vidro cada um.


“Lia e Cassie são amigas há anos, ambas congeladas em seus corpos. No entanto, em uma manhã, Lia acorda com a notícia de que Cassie está morta, e as circunstâncias de sua morte ainda são um mistério. Não bastasse isso, Cassie tentara falar com Lia momentos antes, para pedir ajuda. Lia tem de lidar com o pai, que é um renomado escritor, sua madrasta e a mãe, uma cardiologista que vive ocupada, salvando a vida dos outros. Contudo, seu maior tormento é a voz dentro de si mesma, que não a deixa se esquecer de manter o controle, continuar forte e perder mais, sempre perder mais, e pesar menos. Bem menos.”



208 comentários

Dia 3: Feliz Aniversário, Meu livro favorito e Easter Eggs #SemanaDessen



É HOJEEEEE! Parabéns, Sarah Dessen!!!! E como homenagem a ela e uma forma de parabenizá-la, eu e a Dayse gravamos um vídeo falando um pouquinho sobre o porquê a gente gosta tanto dela! Espero que vocês gostem!



E hoje não podia faltar a resenha do meu livro favorito dela — e livro favorito de todos os que eu já li. Sim. Você leu isso direito. Se eu tivesse que escolher UM livro favorito, seria The Truth About Forever.

Mini resenha de The Truth About Forever:

Macy perdeu o pai recentemente, mas tenta manter tudo sob controle para quem quer que veja não perceba o quanto fora do controle ela está: sua aparência, suas notas até mesmo seu namorado é perfeito. Mas depois que ele vai para um acampamento pelo verão e ela conhece o caótico buffet Wish e todas as pessoas que trabalham nele, Macy vai aos poucos percebendo que talvez com a morte de seu pai, sua vida tenha parado em um estado de aparente perfeição que era tudo menos isso.
E junto com o grupo Wish, ela conhece Wes: um menino que já passou por perdas próprias, mas que  a mostra um outro ponto de vista. Para ele, nada é perfeito, terminado ou um caso perdido, tudo tem potencial; Wes representa um novo jeito de seguir em frente — de viver, seja começando de novo depois de uma grande perda, seja reconstruindo aquilo que estava quebrado. Nas palavras da própria Sarah Dessen: "Wes to me is hope"*. E esse livro, para mim, também é esperança. E sobre tantas outras coisas que eu não conseguiria colocar em palavras.


Hoje também foi anunciado o PRÓXIMO lançamento da Dessen no Brasil: That Summer será lançado no segundo semestre pela Editora iD. Era o último livro que eu esperava que seria lançado aqui, mas gostei: assim todos poderão acompanhar as histórias desde o início e descobrir os Easter Eggs que a Dayse explicou o que são neste post aqui. (UMA das coisas mais legais dos livros da Dessen, então vão descobrir o que é!!)

20 comentários

Dia 2: Dreamland e Coming of Age #SemanaDessen


*

Mini resenha do livro Dreamland, quarto livro lançado pela Sarah Dessen:

"Dreamland é um livro sobre um relacionamento abusivo e tem um tom mais sombrio que grande parte dos livros da Sarah Dessen. Mas acho que é importante lembrar que não é um livro sobre o abuso, mas sobre a menina principal, Caitlin. Não é legal cancelar os personagens por causa dos problemas que eles passam ou passaram. E a Sarah Dessen consegue trabalhar bem isso. Deixar a personagem distinguível mesmo ela se afogando em todos os problemas a sua volta. Se você não gosta de livros que te “fazem sofrer”, talvez você não goste muito desse. Mas acho que você deveria dar uma chance pra esse, mesmo assim. Acho que pode esclarecer muitas coisas sobre esse assunto de violência doméstica e tudo o mais. :)" — Dayse Dantas

Confira o post do segundo dia no Nem Um Pouco Épico com a resenha do livro Keeping the Moon e um post explicativo sobre o que é COMING OF AGE, a especialidade da Sarah Dessen! Vocês se lembram do vídeo que eu fiz falando sobre esse subgênero do YA (que é o meu favorito)?!

E amanhã — não se esqueçam — é o aniversário da Sarah Dessen, então todo mundo usando as hashtags #SemanaDessen e #HappyBirthdaySarahDessen! Todos que usarem essas tags concorrerão a sorteios diários dos livros da Sarah Dessen!
13 comentários

Dia 1: O Início da #SEMANADESSEN!


*



Livros Citados:


Mini resenha do livro Someone Like You, segundo livro da Sarah Dessen:

"Nada de ficar cantando a música da Adele, gente, que esse livro existe desde muito antes disso e as histórias são completamente diferentes. Em Someone Like You, Sarah Dessen escreve sobre Halley, que tem que ajudar sua melhor amiga, Scarlett, a lidar com o fato de que está grávida em uma cidade pequena, e que o pai da criança morreu em um acidente. É uma história linda de dependência e confiança e distinções de família. A Sarah não teve medo de ser um pouco mais intensa do que foi no seu primeiro livro, e isso fez toda a diferença. E esse livro tem uma das minhas cenas favoritas de todos os livros da Sarah Dessen, que envolve um dos meus personagens favoritos (chamado Cameron), correria e um desmaio. E é um livro engraçado. Ninguém nunca lembra de comentar que a Dessen é engraçada em muitas coisas que ela escreve. Acho que todos ficam tão focados em como ela é honesta com a realidade dos “dramas da adolescência” que ninguém pensa “ah é, teve aquela hora que me fez rir.” Mas é. Sarah Dessen também faz rir." — Dayse Dantas

Confira o post de abertura da #SemanaDessen no blog Nem Um Pouco Épico. Serão dois posts por dia: um pela manhã no NUPE e outro à tarde no AOW. Quem quiser participar, seja fazendo posts sobre a Sarah Dessen ou algum livro dela, seja tweetando com a hashtag #SemanaDessen, participará de promoções diárias que ocorrerão no NUPE dos livros da Sarah Dessen!

19 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...