Resenha: Para Sempre

Resenha:
Kim e Krickitt se conheceram de uma forma inusitada: por conversas de telefone. Ela era uma vendedora de jaquetas e Kim era técnico de um time de basquete. Kim não sabia explicar a atração que sentia por Krickitt, mas com o passar do tempo eles se tornam amigos e como a história se passa em 1993, a realidade da época era bem diferente: não havia emails muito menos redes sociais e poucas pessoas tinham celular. Então além dos caros telefonemas, eles passaram a trocar cartas. Os dois se tornaram muito próximos em pouquíssimo tempo.

Quando eles finalmente se conheceram pessoalmente, foi só uma questão de tempo até que se cassassem. E com apenas 2 meses de casados, eles sofreram um terrível acidente de carro que mudou completamente a vida do casal. Kim sofreu sérios machucados, mas Krickitt foi um caso bem mais sério: nem mesmo os médicos acreditavam que ela sobreviveria, ficou em coma, teve traumas cranianos mas aos poucos foi melhorando. Entretanto, a única coisa que Krickitt não conseguiu recuperar foi parte de sua memória, exatamente o período em que ela conheceu, namorou, se apaixonou e casou com Kim.

Para ela, ele era um estranho.

Para Sempre não foi bem o que eu esperava... o livro mais se parece um relato da história, como se ele quisesse contar a história e passar a mensagem, mas sem entrar em grandes detalhes. Muitas vezes Kim, que é quem narra a história, conta ao invés de mostrar como determinada coisa aconteceu, e essa falta de descrição e aprofundamento foi o que tornou o livro curto e um pouco superficial. Não me entendam errado, eu não estou falando que os fatos e os acontecimentos são superficiais, mas a forma como eles foram apresentados ao leitor.

A parte final da narrativa, em que Kim encontra as maiores dificuldades em superar seus problemas e em reconstruir seu relacionamento com Krickitt me pareceu um pouco apressada, mas ao mesmo tempo foi muito honesta — ele não deixa mostrar seus verdadeiros sentimentos, seja de raiva, desesperança e desespero e ao mesmo tempo a esperança e a fé que sempre acompanharam a história de Kim e Krickitt. No entanto, foi como se ele — mais uma vez — tivesse apenas contado por cima o que aconteceu, sem aprofundar.

Eu esperava algo diferente, uma narrativa baseada em fatos reais, mas o que encontrei foi efetivamente os fatos reais. Teria sido muito interessante saber  também o lado de Krickitt. Mas, de qualquer forma, achei a leitura diferente e que vale a pena ler antes de ver o filme porque, pelo trailer, parece que muita coisa foi alterada.

3.5/5

Skoob: adicione.
Compre: {Fnac} {Saraiva}




Quem vai chorar nos cinemas....... ?

11 comentários

O meu The Fault in Our Stars CHEGOU!!!!!!!!

ATENÇÃO: este vídeo contém conteúdo altamente fangirl.




Meu The Fault in Our Stars chegou HOJE! YAYAYAY! Vídeo bem curto só para compartilhar meu surto minha felicidade com vocês! Sim, sim, ele veio com dois cortes, como se tivessem sido feitos com estilete, mas nada que não possa ser superado, certo?! :) Saiba quais são os outros pacotes do vídeo no próximo In My Mailbox de número 13!

*Eu sei, eu sei, hoje é dia 27. Foi muita emoção na hora! Haha

14 comentários

Desafio Michael L. Printz Award


A ideia para esse desafio partiu da Ni, do blog Faz Parte. E quando ela me convidou para participar, teria como dizer não?! Eu sempre tive curiosidade de ler os livros que foram premiados pelo Printz e esse desafio é a desculpa oportunidade que eu precisava!

Mas antes, o que é desse prêmio Michael L. Printz? O Printz é um prêmio anual dos EUA que seleciona os Young Adults (livros do gênero jovens adultos) que exemplificam a excelência em literatura no gênero. O prêmio recebeu esse nome em homenagem a um antigo membro ativo da YALSA (Young Adult Library Services Association) e bibliotecário da escola Topeka West em Topeka, Kansas, que sempre trabalhou para assegurar que os seus estudantes tivessem acesso à boa literatura. Michael L. Printz morreu aos 59 anos em 1996. O prêmio existe desde 2000 e todos os anos elege um ganhador e nomeia outros livros com honra.

Vários livros conhecidos por nós já entraram nessa lista prestigiada, seja como ganhador ou com honra. Alguns exemplos são A Menina Que Roubava Livro, Quem é você, Alasca?, Eu sou o Mensageiro, Loucos aos Poucos e mais recentemente Why We Broke Up, que será lançado em breve no Brasil pela Cia das Letras como Por isso a gente acabou. Um motivo para citar esses livros é mostrar que o desafio não é feito com livros completamente desconhecidos e que mesmo que você não esteja acostumado a ler inglês, ainda pode participar em determinados meses.

Como funciona o desafio? É muito simples! Cada mês representa um ano, ou seja, o mês de Março é para os livros do ano 2000 — então o desafio é ler em Março pelo menos um livro premiado no ano de 2000. Mas como o desafio é mais para incentivar a leitura, você pode ler quantos quiser e não é preciso ler o livro ganhador! Escolha aquele mais chamou a sua atenção. Não precisa ser blogueiro.

Mês de Março – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2000
Mês de Abril – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2001
Mês de Maio – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2002
Mês de Junho – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2003
Mês de Julho – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2004
Mês de Agosto – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2005
Mês de Setembro – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2006
Mês de Outubro – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2007
Mês de Novembro – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2008
Mês de Dezembro – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2009
Mês de Janeiro – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2010
Mês de Fevereiro – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2011
Mês de Março – Ganhador do Printz e Nomeados com Honra de 2012

Entenderam?! Em breve vai ter uma lista completa com todos os livros já premiados pelo Printz, com capa e sinopse! E os livros de Março são:

Monter - Walter Dean Myers
Ganhador

Jovem, negro e com 16 anos, Steve Harmon, um cineasta armador, está em julgamento acusado de assassinato do dono de uma das farmárcias Harlem. Steve lida com a situação escrevendo um roteiro baseado em seu julgamento. Mas, apesar dos seus eforços, realidade é distorcida até que ele não pode mais dizer quem ele é e qual é a verdade.
 Skellig - Davig Almond
 Nomeado com Honra

Michael estava ansioso por mudar para uma casa nova. Mas como sua irmã mais nova está doente, seus pais estão inquietos, e Doutor Morte veio para chamar. Michael se sente impotente. E então ele entra em uma garage desmorando e encontra um ser estranho que vai mudar seu mundo para sempre.
Hard Love - Ellen Wittlinger
Nomeado com Honra


Desde o divórcio, a mãe de John não se aproxima dele, seu noivo quer se mudar e seu pai preferia estar em qualquer outro lugar do que com seu filho em um jantar sexta à noite. Mas é perto da Boston Tower Records que ele conhece Marisol e um amor difícil nasce.

Enquanto a amizade deles é baseada em zines, famílias disfuncionais e sonhos de escaper, logo Marisol e John começam a sair de suas cascas protetoras. Infelizmente, John confunde intimidade com amor e um encontro desastroso no baile destroi sua amizade. Tentando desesperademente consertar as coisas, ele convence Marisol a ir em uma conferência em Cape Cod. E nas praias de Bluefish Wharf Inn, John descobre o quão difícil um amor pode ser.


Speak - Laurie Halse Anderson
Nomeado com Honra

Melinda Sordino estragou uma festa no final do verão ao chamar a polícia. Agora seus antigos amigos não falam com ela e pessoas que ela nem conhecia a odeiam. O lugar mais seguro para estar é dentro de sua própria cabça. Mas nem aí é seguro. Porque tem algo que ela está tentando não pensar, algo relacionado com a noite da festa que, se ela se deixar vencer, destruiria seu disfarce cuidadosamente construído em pedacinhos. E então ela teria que dizer a verdade.

Infelizmente em Março nenhum livro já foi traduzido para o português, mas não desanime! Nos próximos meses aparecerá livros já traduzidos! Se você gostar do desafio e quiser participar, basta postar resenhas dos livros que você leu (no skoob, goodreads ou no blog) e, se quiser, enviar-nos os links que em todos os meses durante o desafio eu e a Ni iremos fazer posts especias! E lembrando: se você não ler em inglês, você pode participar do desafio nos meses em que existam edições em português!

Dica: o Better World Books está com uma promoção — compre 4 livros usados por 18 dólares! Se você quiser saber quais são os próximos livros do desafio para comprar nessa promoção, clique aqui.

16 comentários

Quinta em Outra Língua: You Against Me

{O Quinta em outra língua é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros às quintas-feiras. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

*
"You want this to be a love story?"

Resenha:
O irmão de Ellie, Tom, foi acusado de estupro. Sua vida muda totalmente quando ele é preso: sua família não é mais a mesma e Ellie tem que fazer tudo para defendê-lo, para fazer com que tudo volte como era antes. Por é isso que parentes fazem um pelo outro. Certo?

A irmã de Mikey, Karyn, foi a menina que acusou Tom. A família de Mikey não tem as mesmas condições financeiras que a de Tom, por isso ele sabe que se ele quer vingar sua irmã pelo o que foi feito a ela, ele não poderá confiar na Justiça.

Mas quando Mikey e Ellie se conhecem, tudo muda — mais uma vez. A princípio, os dois só queriam tirar informações um do outro, informações que pudessem ajudar suas respectivas famílias, mas aos poucos, sutilmente, a linha entre o certo e o errado começa a se distorcer e o que antes era algo certo na vida dos dois começa a ser questionado à medida que Mikey e Ellie ficam mais próximos.

Isso é tudo o que eu posso falar sobre o enredo — era tudo o que eu sabia quando comecei a ler. Mas o livro é muito mais do que isso. Se o enredo foi uma surpresa, o estilo de escrita e os personagens me surpreenderam. Sabe quando você lê uma cena e relê outra e mais uma vez? Só para poder guardar o jeito, a forma que foi escrito? A escrita da Jenny Downham é desse jeito. Cenas que tinham tudo para ser apenas mais uma no livro brilham como se fossem as principais. "She sat on the bench and patted the space next to her. She really was very pretty. It was like it was dawning on him, like she got prettier and prettier the longer he looked."

E os personagens? Como contar uma história sob dois pontos de vistas diferentes, um de cada lado do conflito, sem dar um tom tendencioso para a história? Além de muita habilidade, os personagens devem ser carismáticos e realistas para que seja possível entender e ter empatia pelos dois, sem condenar seus sentimentos. E é exatamente isso que aconteceu no livro.

You Against Me foi um livro que me deixou na ponta da cadeira, sem saber o que iria acontecer no próximo capítulo e torcendo para que o certo acontecesse, porque o livro tem um pouco de mistério e muito romance. Muito! Mas ele também trata sobre lealdade — afinal, de que lado Mikey e Ellie ficarão? — e sobre encarar a verdade e conviver com que ela pode significar para todos ao seu redor. Eu tinha esse livro há seis meses e não sei por que demorei tanto para lê-lo. MUITO bom nem começa a descrevê-lo!

5/5


Skoob: adicione.
Nível de inglês: médio
17 comentários

Top 10 livros que eu salvaria durante um desastre natural

Meme criado pelo blog The Broke and the Bookish, conhecido como Top Ten Tuesday, em que toda terça-feira existe um tema e dez livros escolhidos!




1. Jellicoe Road
Nem sei o que falar mais desse livro que já não tenha falado antes! Perfeito!

2. The Truth About Forever
Não sei vocês já viram, mas se eu tivesse que escolher um ÚNICO livro favorito, seria esse.

3. Ela foi até o fim
Livro favorito da Meg! Nem preciso explicar o porquê eu o salvaria...

4. Anna e o Beijo Francês
Dispensa comentários! AMO!

5. Amy and Roger's Epic Detour
Melhor road trip que já li!

6. True Love and Others Disasters
Fico imaginando o que seria de mim sem um livro da Rachel Gibson. Se eu pudesse, salvava todos!

7. Perfect Chemistry (Química Perfeita)
AHHHHH! Poderia reler esse livro mil vezes sem cansar!

8. Shiver (Calafrio)
Dúvida CRUEL entre ele e o The Scorpio Races!

9. Paper Towns
Sinceramente? Se eu pudesse, salvaria todos os do John Green — inclusive Let it Snow!

10. Orgulho e Preconceito
Um dos meus clássicos favoritos!

Não sei por que levo essas listas tão a sério. É como se eu realmente precisasse salvar os livros e aí fico me remoendo pelas escolhas! Demorei horas para me decidir... :P


14 comentários

Quinta em Outra Língua: The Key to the Golden Firebird

{O Quinta em outra língua é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros às quintas-feiras. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

*

"The funny thing about stop signs is that they're also start signs.”

Resenha:
A Maureen Johnson é aquela autora que eu já admirava antes de ter lido qualquer livro dela — como aconteceu com o John Green. A Dayse Dantas, uma das blogueiras do NUPE, é super fã dela, indicou The Key to the Golden Firebird, o primeiro livro que ela lançou e que não é tão conhecido. Ela disse que esse livro era uma mistura de John Green com Sarah Dessen, então OH MY GOD como não ler, sendo que a Sarah Dessen e o John Green são dois dos meus autores favoritos?!

E eu não me arrependi. O livro conta a história das três irmãs Gold, Brooks, May e Palmer, e se inicia numa tarde ensolarada fatídica em que elas chegam em casa e encontraram uma comoção na frente de sua casa: ambulâncias, vizinhos. O pai delas havia falecido dentro do carro, um Firebird dourado, ao chegar em casa.

May não se lembra de muita coisa desse dia, porque desde então sua vida mudou drasticamente.  E, após um ano, ela ainda continua cuidando de suas irmãs, tentando manter a família nos eixos, porque sua mãe está muito ocupada trabalhando em vários turnos no hospital. Mas ela continua tão perdida quanto naquele dia, sozinha e desanimada. Sua irmã mais velha, Brooks, não ajuda nos trabalhos domésticos, e desde que começou a namorar Dave Vaticon, tem chegado cada vez mais tarde e mais bêbada em casa. Palmer, a mais nova, não tem vontade de fazer nada, além de jogar softball e ver TV, sem contar os ataques de pânico estão cada vez mais frequentes.

A história, contada em terceira pessoa, foca mais em May, uma menina de 16 anos, estudiosa e dedicada, mas que não consegue tirar a tristeza do seu caminho. Ela se sente responsável pelas irmãs, ao mesmo tempo que sente a injustiça de ter que carregar as duas no ombro quando ambas estão se divertindo. Sua mãe conta com ela para tudo, e quando ela falha no teste de direção, May se sente frustrada. E aí que entra em cena Peter, o vizinho de May, que antigamente era o menino irritante que vivia implicando com May, passou a ser um desconhecido, mas vai assumir um grande — e decisivo — papel na vida de May.

Peter ajuda May a aprender a dirigir, mas na realidade faz muito mais do que isso: ele se torna uma companhia, um amigo, algo que May tanto precisava. Ela só não contava que ele iria se interessar pela sua chefe da cafeteria em que trabalha, uma garota mais velha, e nem o quanto isso a abalaria... E quando tudo parece realmente um caos na sua vida, May e suas irmãs descobrem que, talvez, a chave para a solução de seus problemas é a mesma que de alguma forma estava ligada ao dia em que tudo começou a desmoronar...

O que eu posso dizer desse livro? Para quem gosta de YA contemporâneo, ou seja, que não envolve fantasia e sim problemas cotidianos, este livro é um must read. Como eu amo YA contemporâneo, eu AMEI esse livro! Muito bem escrito e de fato me lembrou bastante da Sarah Dessen e do John Green, mas ao mesmo tempo é um livro único... Mesmo com um enredo simples, eu me pegava ansiosa e querendo saber como a May ficaria no final e o que aconteceria com o relacionamento dela com as irmãs bem como com o Peter. E o final foi tão bom, tão tão fofo e deixou aquela sensação genuína de felicidade e contentamento que ultimamente está cada mais vez difícil de se encontrar nos livros. Leitura mais do que recomendada!

5/5

Skoob: adicione.
Nível de inglês: fácil

10 comentários

Livros que quero MUITO ler #3

Ulysses — James Joyce
(Cia das Letras - Abril)

Literatura, como Joyce nos conta através do personagem Stephen Dedalus, “é uma eterna afirmação do espírito do homem”. Escrito durante um período de sete anos, de 1914 a 1921, Ulysses sobreviveu a um expurgo, ação legal e uma amarga controvérsia. Um incontroverso clássico moderno, a sua inventividade verbal incessante e as espantosamente abrangentes alusões confirmam a sua qualidade de duradouro e inextinguível momumento da condição humana.



Desde que vi um vídeo do John Green que ele menciona esse livro, fiquei morrendo de vontade de ler! Não perco o lançamento deste livro por nada!


A Filha do Pastor de Árvores — Gillian Summers
(Editora Betrand - já lançado)

Após a morte da mãe, Keelie Heartwood, uma jovem de apenas quinze anos, é forçada a deixar sua adorada Califórnia para viver com o pai nômade no Festival da Renascença de Montanha Alta, no Colorado. Mas a jovem tem um plano para sair desse paraíso nerd medieval o mais rápido possível. No entanto, coisas estranhas começam a acontecer. Kellie percebe que algumas pessoas do festivel têm orelhas pontudas, incluindo o cavaleiro mais bonito do lugar, Lorde Sean do Bosque. Quando ela começa a ver seres estranhos e a se comunicar com árvores, descobre que existe um segredo sobre si e percebe que seu pai lhe deve explicações. Enquanto tenta conhecer suas raízes, uma grande reviravolta acontece, e a identidade da adolescente não é a unica coisa sob ameaça.


Shatter Me - Tahereh Mafi
(Novo Conceito - sem previsão)

Juliette não toca ninguém há exatos 265 dias. A última vez que ela o fez, foi um acidente, mas o The Reestablishment trancou-a por assassinato. Ninguém sabe por que o toque dela é fatal. Mas enquanto ela não toque em ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está muito ocupado se desmoronando para prestar atenção numa menina de 17 anos. Doenças estão matando a população, comida é muito difícil de ser achada, os pássaros não voam mais e as nuvens estão com as cores erradas. The Reestablishment disse que vão consertar tudo, então eles jogaram Juliette numa cela. Agora tantas pessoas estão mortas que os sobreviventes estão cirando rumores de Guerra — e The Reestablishment mudou de ideia. Talvez Juliette seja exatamente o que eles precisam agora. Ela tem que fazer uma decisão: ser uma arma. Ou uma guerreira.

Esse livro é um sucesso pelos blogs internacionais e depois de ter visto este vídeo super fofo da autora, já virei fã! Percerberam que ela disse que para o lançamento do segundo livro, Unravel Me, lá nos EUA, vai ter uma surpresa por isso foi adiado?! Mal posso esperar!

10 comentários

In My Mailbox #14

Meme criado pela Kristi, do blog The Story Siren.



Livros Citados:
The Iron Knight
Saving June
Catching Jordan
Awkward
Helena - Perfume dos Laranjais
Vitória - Perfume dos Laranjais
29 comentários

Quinta em Outra Língua: And Both Were Young

{O Quinta em outra língua é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros às quintas-feiras. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

*

Resenha:
Philippa Hunter não quer ir para um internato na Suíça, mas a "amiga" de seu pai, Eunice, disse que seria uma ótima ideia e seu pai aceitou, já que ele viaja por vários países fazendo as ilustrações que vão nos livros infantis. Flip, como é conhecida, não gosta nenhum um pouco de Eunice, pois não quer que seu pai se case novamente, não quando a morte de sua mãe ainda é tão recente.

Logo que chega na Suíça, no entanto, ela conhece um menino chamado Paul Laurens. Eles trombam sem querer e Flip gosta dele imediatamente, mas sabe que nunca mais o verá. Na escola, as meninas são um pouco más com ela e a tratam como se elas fossem superiores — Flip é uma menina que não tem uma auto-estima muito boa. Ela acredita que por ser ruim nos esportes e boa em artes, as meninas não querem ser sua amiga.

Triste e solitária, um dia Flip sai para caminhar — o que é estritamente proibido — mas encontra Ariel, o cachorro de Paul que a leva até um château, onde Paul se encontra.

A vida de Flip começa a melhor à medida em que a amizade dos dois fica maior e Madame Perceval, sua professora de artes, mostra uma afeição enorme por ela e ensina a Flip que se ela mesmo não se valorizar, as meninas não vai sair do pé dela. É através dos seus desenhos que Flip vai se enturmar. Ninguém pode saber que ela sai da escola para se encontrar com Paul, muitas vezes ela quase é descoberta. Ele, no entanto, às vezes parece distante e Flip se pergunta se é porque ele não gosta muito dela, até ela descobrir que ele guarda um segredo e que ela talvez seja a única que consiga fazê-lo confrontar seu passado.

Esse livro foi lançado em 1983 e ele não deixa nada a desejar comparado aos novos YA. Muito pelo contrário, o livro é MUITO bom! Eu esperava encontrar uma narrativa rebuscada e de ritmo lento, mas o quê! Madeleine L'Engle escreveu uma história com um enredo nada grandioso, sobre uma menina ingênua e imatura que enfrenta um internato e supera seus medos, encontra grandes amizades e até se apaixona, mas que encanta o leitor com sua simplicidade — é tão bom! Sabe quando você não vê a hora de já poder reler o livro?! É exatamente assim que me sinto!

5/5

Skoob: adicione.
Nível de inglês: fácil

Madeleine L'Engle é a autora do famoso A Dobra no Tempo, que ainda não li, mas depois de And Both Were Young pretendo comprar mais livros da autora! Ela escreveu mais dois YA: Camilla e The Joys os Love.


*Essa leitura faz parte do Desafio Clássico do Nem Um Pouco Épico.

9 comentários

Top 10 livros que eu indicaria para quem não gosta de ler

Meme criado pelo blog The Broke and the Bookish, conhecido como Top Ten Tuesday.





Jogos Vorazes
Nem preciso comentar sobre esse livro! Acho que todo mundo já sabe do que se trata, mas pra quem ainda não leu essa trilogia, leia a resenha sem spoiler dos três livro e VAI LER JOGOS VORAZES ANTES DE SAIR O PRIMEIRO FILME!


Cidade dos Ossos
Um dos meus livros favoritos e com um enredo que é de deixar qualquer um, repito, qualquer um querendo ler o próximo, porque como alguém consegue viver com aquele final?! AQUELE FINAL. #fangirl Mas é verdade, se tem uma coisa que a Cassandra Clare sabe fazer é um final de deixar qualquer leitor morto de curiosidade para ler o próximo. Escolha perfeita!


Anna e o Beijo Francês
Nenhuma novidade, né?! AMO esse livro e sempre que alguém me pede alguma indicação não penso duas vezes: "Já ouviu falar de Anna e o Beijo Francês? NÃO? OMG, VAI LÁ COMPRAR!!!"


Fazendo Meu Filme
Assim como Anna, esse livro é super fofo! Uma leitura agradável e descontraída, mas um livro muito bem escrito e que cativa o leitor de um jeito inesperado! Um dos meus livros favoritos!!


A Sombra do Vento
Um dos livros mais bem escritos que já li e com um enredo surpreendente! Eu não quero falar muito sobre a história, porque é um daqueles livros que é melhor ler sem saber nada, mas tem aquela sensação de mistério não-consigo-parar-de-virar-as-páginas.


Ela Foi Até o Fim
Esse é um dos meus livros favoritos da Meg! Li a sinopse quando o livro ainda nem tinha sido lançado aqui e foi amor instantâneo: precisava comprá-lo. Ri muito com esse livro e é uma daquelas leituras que deixa qualquer pessoa de bom humor. (Não quero comentar quantas vezes já reli o coitado...)


Jellicoe Road
Melina Marchetta no meu vocabulário está do lado de amor, perfeição e fangirl. Amo essa autora e esse livro é um dos meus favoritos dela! É um livro de inglês médio e a princípio a história parece ser bem complicada, mas OH MY GOD. Depois que você se acostuma com a escrita e começa a entender o enredo, OH MY GOD. Os personagens da Melina são tão bem construídos que não tem como não ficar com aquela vontade de conhecê-los pessoalmente. E vai virar filme! WOOHOO


True Love and Other's Disasters
Rachel Gibson tira qualquer um da ressaca literária. Os livros dela tem sempre um formato meio parecido, mas eu NÃO ME CANSO. Se ela tivesse lançado mais trinta livros, eu os leria com o maior prazer. Tem romance e cenas divertidas, quer livro melhor para conquistar um futuro leitor?


O Segredo de Emma Corrigan
De novo um livro divertido. Eu reconheço que você não pode indicar para alguém que não gosta de ler um livro depressivo e lento, porque a pessoa não vai ter a paciência para continuar. Então por que não indicar algo leve e de ritmo rápido, que prenda a atenção desse leitor hesitante?! O Segredo de Emma Corrigan é perfeito!


Quem é Você, Alasca?
Não é só livro divertido que captura a atenção do leitor. John Green escreveu um livro que conquistou VÁRIOS leitores e mesmo 6 anos depois, esse livro ainda vai para a lista dos mais vendidos do New York Times. Com uma narrativa belamente escrita e um enredo fantástico, Quem é Você, Alasca? é um livro maravilhoso! (E não, eu não o acho depressivo.)

25 comentários

Resenha: A Visita Cuel do Tempo

"Eu estou sempre feliz. É que às vezes eu esqueço."

Resenha:
Sabe aqueles livros que você termina de ler e não sabe muito bem o que pensar sobre ele? Normalmente, isso não acontece comigo, pois termino e já sei o que achei. No entanto, depois que pensei um pouco sobre a história, A Visita Cruel do Tempo foi um livro diferente e ao mesmo tempo bem escrito, sem dúvidas até aí. Mas foi uma leitura normal; apesar dos vários artifícios textuais e narrativos que são empregados, o enredo do livro é confuso, em parte por ele não ser cronológico, e em parte porque há muitos, muitos, muitos personagens, tanto que cheguei a um ponto que tive que parar a leitura para lembrar quem fez o quê e não ter certeza se aquilo aconteceu com o personagem A ou B.

Li em uma resenha que esse livro mais parecia um curso sobre escrita criativa, pois cada capítulo é contado de uma maneira diferente: primeira, segunda, terceira pessoa, em forma de gráficos, etc.
Enquanto isso foi interessantíssimo e completamente inovador — pelo menos para mim —, o enredo foi o ponto fraco: a princípio achei que todos aqueles personagens, de alguma forma, estavam relacionados entre si, mas o que aconteceu foi um monte de histórias em épocas diferentes e era como se cada capítulo fosse a peça de um quebra cabeça que eu tivesse tentando montar durante a leitura, mas o resultado não foi o que eu esperava — nem me agradou.

A história é focada em Sasha, uma cleptomaníaca que trabalhava como secretária para um famoso produtor musical, Bennie, outro personagem principal, que colocava pó de ouro no café. E outros dez personagens...

Um dos blurbs do livro (The Chicago Tribune) diz que as personagens de Jennifer Egan são irritantemente humanas, e não há expressão melhor para defini-las. Egan escreveu um livro que foi o mais próximo da realidade que já li: nada de grandioso acontece, nada de melodramático, nenhuma reviravolta de tirar o fôlego. São apenas pessoas comuns que cometem erros e às vezes fazem as escolhas certas e simplesmente vivem — no sentido mais literal da palavra. Como o próprio título diz, o tempo é cruel e esse livro mostra exatamente o que o tempo faz com as pessoas. "É essa a realidade, não é? Vinte anos depois, a sua beleza já foi para o lixo, especialmente quando arrancaram fora metade das suas entranhas. O tempo é cruel, não é? Não é assim que se diz?"

Acho que foi por isso que o enredo não me agradou e deixou a leitura com um ritmo lento. Querendo ou não, eu sempre espero algo de grandioso dos livros, alguma reviravolta, algo que capture meu interesse — mesmo sabendo que a vida nem sempre é assim... Dei 3.5 estrelas pela estrutura diferenciada do livro e pela habilidade de Egan em criar personagens que, mesmo efêmeros na narrativa, foram bem construídos. O único problema foi o enredo, que ao tentar cobrir vários personagens, perdeu um pouco o foco. (Informação não útil: ao contrário da maioria, gostei da capa. Ela capturou bem a essência da história. A Intrínseca fez um ótimo trabalho com o livro!)

3.5/5
Skoob: adicione.
Compre: {Fnac} {Saraiva}
10 comentários

Quinta em Outra Língua: The Statistical Probability of Love at First Sight

{O Quinta em Outra Língua cresceu e terá edições em outros dias da semana! "Em Outra Língua" é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros a princípio apenas às quintas-feiras, mas atualmente em qualquer dia da semana. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

*

"And he's been carrying my suitcase ever since."

Resenha:
4 minutos fizeram com que ela perdesse seu voo para Londres, fizeram com que ela fosse se atrasar, provavelmente até perder o casamento de seu pai. 4 minutos que para ela era mais uma prova de como esse dia seria ruim.

Mas são esses exatos 4 minutos que mudam sua vida.

Contrariada, triste e desanimada, Hadley não vê a hora de pegar um voo de volta para os EUA. Ela terá que esperar mais três horas no aeroporto até seu próximo voo e é no meio de um aeroporto lotado por causa do feriado 4 de Julho, numa confusão de malas e pertences no chão, que ela conhece Oliver — um inglês que estuda em Yale e é o único que a ajuda. Ele está indo para Londres, no mesmo voo, cadeira 18C. Ela na 18A.

O que três horas de espera, horas dentro de avião e alguns encontros em Londres podem mudar na vida de Hadley e Oliver?

The Statistical Probability of Love at First Sight foi uma leitura ótima, diferente e cativante! O livro foi belamente escrito, às vezes até mesmo poético, misturando cenas alegras e tristes, culminando num final digno de uma história tão bonita como essa!

Meu pai me chama de "ratinha de aeroporto" de tanto que eu gosto de aeroportos, e eu não poderia concordar mais com Oliver quando ele disse: “I like how you're neither here nor there. And how there's nowhere else you're meant to be while waiting. You're just sort of suspended.” O início do livro se passa no aeroporto e a autora conseguiu capturar exatamente como é estar em um aeroporto, aquela sensação de possibilidades...

A história toda se passa em 24 horas, o que para alguns pode parecer pouco — afinal, um dia pode mesmo ser tão significativo? Jennifer E. Smith provou que sim. Mesmo mal se conhecendo, Hadley e Oliver apenas sabem que tem muito em comum.

Contado em terceira pessoa, acompanhamos Hadley enfrentando seus maiores medos, arriscando-se, conhecendo novas pessoas e se apaixonando no dia que tinha tudo para ser o pior da sua vida, mas se esse dia merece algum título de "mais" com certeza é acompanhado de "inesquecível". Assim como o livro! Leitura mais do que recomendada!

5/5

Skoob: adicione.
Nível de inglês: fácil

18 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...